ABPA na Mídia






05/06/2018

ABPA - Consolidação dos prejuízos para aves e suínos com a Greve dos Caminhoneiros

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que todas as 167 unidades frigoríficas que haviam suspendido a produção durante a paralisação dos caminhoneiros, retomaram as atividades nesta semana.

Conforme os últimos números consolidados pela ABPA junto aos seus associados, a paralisação gerou impactos totais de R$ 3,150 bilhões ao setor produtor e exportador de aves, suínos, ovos e material genético.

Apesar das perdas de animais registradas, o reinício do fluxo de ração no campo evitou que um plantel de cerca de 1 bilhão de cabeças continuasse em risco.

A reorganização da cadeia produtiva e da distribuição de produtos após a suspensão das atividades durante a greve gerará custos extras ao setor.  Em outras palavras, até que se reestabeleça toda a sistemática setorial, ficará mais caro às indústrias produzir cada quilo de carnes e cada unidade de ovo.  Haverá a necessidade de aumento da oferta de linhas de crédito para a manutenção da retomada da cadeia agroindustrial.

Neste contexto, a ABPA manifesta sua preocupação com a elevação dos custos produtivos devido à forte alta dos preços do milho e da soja (que oneravam a produção de proteínas antes da greve dos caminhoneiros) e ao estabelecimento da tabela de frete mínimo. Por serem setores intensivos em uso rodoviário (com transporte de animais vivos, ração, insumos e outros) a avicultura e a suinocultura serão fortemente impactadas pelos novos custos logísticos.

Mesmo com todos os desafios que estão em pauta e com a natural queda da oferta de produtos decorrentes da greve, a avicultura e a suinocultura continuam comprometidas com o restabelecimento do fluxo de alimentos e com a segurança alimentar da população brasileira.