ABPA na Mídia






25/01/2013

Agenda inclui também assembleia ordinária da ALA

São Paulo, 25 de janeiro de 2013 – O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (UBABEF), Francisco Turra, participa, junto com o diretor Financeiro e Administrativo da entidade, José Perboyre, entre os dias 29 e 31 de janeiro, da International Poultry Exposition 2013, em Atlanta, Estados Unidos. A agenda inclui ainda a participação, dia 28, na assembleia geral ordinária da Associação Latino-Americana de Avicultura (ALA), da qual Turra é vice-presidente, e a divulgação do Salão Internacional da Avicultura (SIAV), que acontece em agosto, em São Paulo.

 O encontro, o maior do setor nos EUA e organizado pela U.S. Poultry & Egg Association, é uma oportunidade, segundo o presidente da UBABEF, para reafirmar a parceria com a entidade irmã, assim como para a troca de informações com os maiores players mundiais do setor avícola, visando sempre à qualidade e à expansão da avicultura no mundo.

 “Como a mostra reúne representantes dos vários segmentos da avicultura mundial, será uma oportunidade para convidá-los, junto com o presidente da USA Poultry & Egg Export Council (USAPEEC), James Sumner, para participar do Salão Internacional de Avicultura (SIAV), o maior evento do setor no Brasil, como também para divulgar e fomentar negócios para o evento”, afirma Turra.

 A International Poultry Exposition é a maior exposição internacional de tecnologia, equipamentos, fornecedores e serviços usados na produção e no processamento de aves e ovos, além de incluir empresas envolvidas na produção de ração.

 Para a reunião da Associação Latino-Americana de Avicultura (ALA) estão sendo esperados representantes de todos os países membros. O encontro, segundo seu vice-presidente, Francisco Turra, focará três pontos básicos: os problemas de sanidade no continente latino-americano e os meios de pressionar os governos a investir forte na defesa agropecuária e na saúde animal; a crise de abastecimento de grãos em alguns países, em razão do custo da ração e escassez do produto em algumas regiões do continente latino-americano; e a busca de uma unidade maior do setor na região para enfrentar embargos e barreiras tarifárias.

 “O continente latino-americano tem que estar unido para fazer frente às principais demandas do setor. Vamos trabalhar para que a carne de frango produzida nos países que compõem a ALA esteja presente em mais países, e assim, cada vez mais, aumentar a competitividade comercial do nosso produto”,  salientou Turra.